quarta-feira, 8 de outubro de 2008

Sporado

Depois de tanto falar do jogo, baixei ele piratão e testei. Aqui, meu review sobre o tão esperado título da Maxis. No começo, tela de abertura, nos deparamos com um ambiente muito bonito, uma galáxia e a imagem de ser um jogo longo e expansivo.

Você começa como um ser microscópico. Dá pra optar entre carnívoro, herbívoro e onívoro. Montei um ser carnívoro, óbvio. Predador total. De cara, nos sentimos num Pac Man 3D. Somos um ser minúsculo que caiu num planeta, devido um meteoro que colidiu com a superfície de um planeta habitável. Saí comendo vários restos de carne pelo cenário. Aí fui crescendo de tamanho, e ganhando pontos de DNA, que é o principal do jogo, que faz evoluirmos nossa estrutura física. Em umas duas horas, já saí do estágio celular e fui pro animal. Me tornei uma célula enorme, que certos bichinhos que antes me atacavam e matavam com uma mordida nem apareciam na tela de tão pequenos. Essa é a imagem da bactéria que eu criei, e a evolução da mesma: Depois, me tornei um animal terrestre, ainda carnívoro. Com ele, eu controlei o pequeno ser em terra firme, com gráficos realmente impressionantes, um céu INCRÍVEL e várias espécies andando pelo chão, de vários tamanhos e características. Eu costumava atacar outros seres e extinguir a espécie, como poderia ser um ser sociável e virar amigo de outros. Mas preferi comê-los. Comecei assim: E terminei o estágio de criatura assim:
Depois de conseguir certa quantidade de pontos, me tornei um ser "inteligente". A partir desse ponto, meu animal chegou ao ponto final de evolução física. Em vez de controlar apenas um espécime, virou um Age of Empires, com tribos. Lá, posso criar armamentos, religião e buscar por alimento e minerais. Posso brigar com outras tribos (agora sim, todas da minha espécie) ou ser amigo delas. Matei algumas e virei amigo de outras.

Na fase das cidades, o jogador cai num sistema MUITO semelhante ao tribal, mas trabalhando com dinheiro, carros, barcos e aviões. Não vi grandes diferenças com o tribal, além da "modernidade".


O jogo fecha com o estágio espacial, o que eu mais esperava de todo jogo. Essa fase é infinita, e os gráficos são o grande diferencial. Você pode viajar entre planetas, visitar locais inóspitos, e ter contato com alienígenas. Nesse estágio, você pode se tornar um pirata espacial, um povo pacífico ou ser subordinado de um mais poderoso. E lá vai você cumprir mais e mais missões.


Resumindo, achei o jogo graficamente MUITO bom e o construtor de criaturas, algo genial. Mais genial que o próprio jogo!
Joguei com esse ser que mostrei pra vocês e com mais um outro. O ruim é que depois de umas duas ou três vezes que você joga, ENJOA. Já vi uma galera falar que não tem como enjoar, mas depois de certo tempo, achei um tanto repetitivo e cansativo.

Se você quer arriscar, baixe piratão ou compre original e tenha regalias de poder upar pro sistema da Maxis seu próprio animal e ter seus feitos divulgados no site da Maxis.

Porém, achei as fases muito rápidas e a fase infinita - a espacial - cansativa e repetitiva.

Assim concluo:
Gráficos: 10
Som: 8
Jogabilidade: 8
Inovação: 9 (tiro um ponto por ter uma fase tribal muito parecida com o Age of Empires 1)
Diversão: 6


Logo logo vou deletar ele do meu computador.

A propósito, fiz o Rodriguez, o Ananás no editor de criaturas, veja:

Antes de me perguntarem, o Rodriguez assim como os outros amigos da beterraba irão ser apresentados logo que o layout novo for implantado. Teremos novidades quanto a eles o que eles poderão fazer no nosso site.